28 de abr de 2010

Uma mão negra nos impediu de Madrid.

Mas não foi a mão de Yaya Touré. Foram, na verdade, mãos. E apitos. A Internazionale de Milano não teve um apito amigo em si. O Barcelona é que teve um apito inimigo. Nos dois jogos das semi-finais da Liga dos Campeões, o Barça foi notadamente prejudicado. Além das inúmeras "dúvidas", apitadas, via de regra, a favor dos italianos, houve pelo menos três momentos que escancararam o caminho da Inter à final, graças aos juízes.

O primeiro foi o terceiro gol de Diego Milito na partida de Milão, em franco impedimento. Ele mesmo sabia, pois olhou ao árbitro antes de comemorar. O segundo, também no primeiro jogo, foi o pênalti não marcado sobre Dani Alves, que ainda foi advertido com um cartão amarelo por "simulação", após receber carrinho com tesoura de Wesley Snejder. O terceiro foi o anulamento do gol legal de Bojan Krkic na partida de volta, aos 46 minutos, após a bola atingir a mão de Touré, que estava colada à sua barriga.

Creio em má-intenção antes de quem selecionou os árbitros do que dos próprios. Um diálogo simples, como o que se segue, não me soa improvável.

"- Alô?
- Oi, sou eu. Você quer ter chances de apitar as semi e as finais do Mundial?
- Quero.
- E de apitar as partidas mais importantes da Europa durante os próximos três/quatro anos?
- Claro.
- Então, antes, você tem uma missão. Você está sendo designado para apitar um dos jogos entre Barcelona e Internazionale de Milano, pelas semi-finais da Liga dos Campeões da Europa. Um dos times não pode chegar à final.
- Como assim?
- Você aceita?
- Sim.
- Então você me entendeu. Catalães não devem ir a Madrid. Está claro?
- Sim, senhor.
- Então, bom trabalho."

Além de todos os erros babacas cometidos, Olegário Benquerença e Frank de Bleeckere, os juízes dos dois jogos, também marcaram, quando na dúvida, por Milão. Nem mesmo a camisa rasgada de Ibrahimovic, dentro da área, por Lúcio, conseguiu convencer o árbitro de que houve falta da Inter sobre o Barça. Eles só merecem um nome: VILÕES! Bandidos, isso é o que eles são.

A Inter fez bem seu papel e vai à final. Assim como o Bayern, que também contou com ajudas das arbitragens. Espero que essas armações ridículas sejam escancaradas.

Estou orgulhoso do Barça. Batalhou o tempo todo e mereceu ganhar, porque ganhou. Mas não levou. e não digo isso porque o Barça tenha tentado. Eles conseguiram. Mas foi-lhes roubada a final. Literalmente.

A Piqué, Messi, Xavi y Bojan: gracias, niños. No olvidaré. No olvidaremos. A Iniesta: te extrañamos.

Uma penúltima palavra: Eto'o, Barcelona ainda te ama. Foi duro ver o camaronês que nos foi tão importante, abraçando com carinho os ex-companheiros de time, e olhar confuso a torcida que tanto o apoiou. Ele não tem mais espaço no Barcelona, é, infelizmente, impossível sua volta. Mas os culés nunca o esquecerão. E ele nunca esquecerá o Barça. Como um triste término de um namoro feliz, no pior estilo "era feliz e não sabia(?)". Gràcies, Samuel!

Mas o gosto é salgado. Uma coisa é perder por conta própria, por responsabilidade própria. Outra é ser impedido de vencer por quem não deveria ter este poder. Não culpem Pep ou Ibra, Messi ou Xavi. Nos levaram da final, mas não foram nossos jogadores, ou melhor, nossos guerreiros. Tenham orgulho do que o Barça fez, como tenho. Mas esse orgulho tem gosto salgado e aperta o coração.

ENS HI DEIXEM LA PELL!

Nenhum comentário:

Postar um comentário