10 de set de 2008

Crucificando Anões

Eu juro que não ia escrever nada hoje. Mas, tendo em vista o jogo da seleção, resolvi fazer uma aparição. Pra quê? Adivinha! Descer meu taco de baseball na cabeça de um certo Dunga, que não é o anão da Branca de Neve, muito pelo contrário, pois enquanto um fica calado, outro fala mais que deveria.

Devo revelar que não vi o jogo todo. Dunga não é o único culpado, mas é o único que põe (ou deveria pôr) o cérebro na equipe; os jogadores põem (ou deveriam pôr) o corpo e coração. De qualquer forma, eu gostaria de fazer algumas perguntas ao treinador.

- Para o senhor, empatar em casa contra a Bolívia foi um resultado satisfatório?
- O senhor já não sabia, ou pelo menos deveria saber, que a equipe adversária iria jogar retrancada?
- Ter um jogador a mais em campo durante quase 45 minutos não deveria ser um agente facilitador?
- Se o senhor não montou um time suficientemente bom para passar pela defesa da Bolívia, como espera chegar até a Copa do Mundo, quando terá que passar pela defesa de seleções como a alemã, a italiana, a inglesa, a togolesa, a sul-coreana...?
- Se não há tempo suficiente para treinar e entrosar bem o time, o melhor não deveria ser unir o "espírito" do grupo em vez de desagregá-lo, como o senhor fez assim que assumiu o comando?
- O senhor acredita que os jogadores sentiram seu dedo por trás?
- Ou a não-reação deles já demonstra que não sentiram dedo algum?
- O cabelo do Ronaldinho Gaúcho deixa clara a razão da fama de seus conterrâneos?
- Cê tem bruxove?
- Ter, tinha, acabou-se tudo?


Desconectando.

2 comentários: