13 de jan de 2010

Um pouco de Cinema

O melhor cinema da cidade em que moro está fechado, by the way; obra de um incêndio. Devem estar recebendo uma fortuna do seguro. OK, isso é só um comentário alheio ao que vim falar, mas que seja.

Primeiro: Sobre Atividade Paranormal. Seria mais apropriado se o nome do filme fosse Atividade Para Anormal, que me desculpem (ou não) meus amigos que me arrastaram para ver esse filme. O diretor sabe de psicologia, no entanto. O filme é terrível. Dá susto. Mas só. Não dá para entender como aqueles retardados que apareceram no trailer choraram. Ridículo. Segue abaixo o trailer. Não assistam ao filme. É sério o que eu falo, apesar de eles se pretenderem tão sérios quanto eu. Revoltante.

http://www.youtube.com/watch?v=F_UxLEqd074

SPOILER
Ah, eu já avisei, vou contar tudo logo, se não quiser saber, pule para parágrafo iniciado por "segundo:". A história é de um casal formado por uma universitária - bem gatinha, por sinal - e um acionista que passa o dia em casa de bobeira. Como a mocinha conta que ela acha que tem um demônio perseguindo ela, o sortudo, quero dizer, o cara resolve investigar o caso. Para isso, ele passa a filmar tudo o que acontece na casa, especialmente à noite (safadinho) e, conforme ele vai descobrindo que a namorada dele realmente está sendo perseguida por um demônio (mais safadinho ainda), eu vou percebendo que a gost...epa, que a moça é uma maluca com problemas de sono. Quanto mais ele filma e mais chama o Capiroto pro pau, pior a situação fica. O que não consigo entender: mas que cazzo eles estão esperando pra sair da casa? Tá, a mulé já falou que o demo a perseguirá por onde quer que seja, mas não bastaria ir dormir num lugar bem cheio de gente? Óquei, continuando a crítica. O que me revolta é que tudo isso é dito ser baseado numa história real. Mas cadê as fitas reais? Essas eu gostaria de ver. Sem sacanagem. A mulherzinha acaba sendo possuída e mata o cara (e, por fim, atira-o à câmera, da qual nenhum dos dois - a mulher e o capetinha - gostavam). Está foragida da polícia desde então. A pergunta é: porque esse demônio bunda-mole não enfrenta a polícia de frente? Na boa, se eu fosse um demônio, seria muito mais fodão (mas igualmente tarado). Pô, o belzebuzinho de quinta fica a maior parte do filme escondido no sótão da casa, com uma foto de quando a perseguida (a moça, não a perseguida da moça) ainda era uma criança - ou seja, além de tarado, ele é um pedófilo. Na maior parte do tempo em que ele "aparece" - pois é, além de tudo ele é invisível - ele se reduz à sua insignificância, assustando o casal mudando chaves de lugar, pisando forte no chão (como uma adolescente na TPM), abrindo e fechando a porta do quarto do casal, acendendo e apagando luzes nos corredores. Ah, ele também fica um tempo observando a mocinha dormir - e provavelmente descabelando o palhaço ao mesmo tempo. Só no finalzinho do filme que ele dá uma mordidinha na moça (aleluia!) após arrastá-la para fora da cama (numa cena muito bem-feita, a única do filme). Uma (pen)última coisa: esse satã serelepe demora uns 20 dias (contando apenas os dias que aparecem no filme) pra possuir o corpo da guria. De boa, sem sacanagem, se eu fosse um demônio, seria muito pior - ficaria possuindo as pessoas e fazendo com que elas cometessem suicídio em praça pública (de preferência com lanças-chamas ou bastões de baseball, duas das minhas cinco "armas" favoritas), explodiria gatos e cachorros de estimação no microondas , brincaria de arremessar bebês pela maternidade... Isso sim tocaria o terror no povo e, ao mesmo tempo, divertiria-me, levando em consideração que eu seria um capiroto. Você provavelmente deve estar me achando ligeiramente assustador e quase definitivamente um psicopata em potencial com uma imaginação excessivamente fértil, mas eu não me importo de verdade com isso e, mais, a normalidade é tão... overrated, então... Próximo filme!

Segundo: Avatar. Sem muito pra falar, além de que é um ótimo filme. Muito além da imagem, ele tem uma história de verdade. E uma puta história. Tem uma mensagem moral no fim, mas pra qual eu não dei a mínima. Não existe arte moral ou imoral, apenas arte boa ou ruim.

Terceiro: O Espião. Não sei quem teve a "brilhante" idéia de traduzir Fifty Dead Men Walking por "O Espião". Sou contra traduções erradas (que, portanto, não são traduções), mas o título em português pelo menos me fez entender sobre o que era o filme - até agora não entendi que história é essa de cinqüenta homens mortos andando, já que não é um filme sobre os famigerados e famintos comedores de miolos. A história (verdadeiramente baseada em fatos reais, ao contrário do filme Atividade Paranormal), em resumo, é sobre um jovem ""católico"" norte-irlandês (na verdade, apenas de origem católica) que tem motivos o suficiente para detestar tanto os britânicos ocupacionistas quanto o IRA. O tempo todo em que vi o filme fiquei com a impressão de que haviam lido Antonio Negri e Michel Foucault antes de escreverem a história. Minha opinião? Filme brilhante. Conta com Ben Kingsley e Jim Sturgess no elenco.

Opiniões e sugestões são bem-vindas.


Desconectando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário